domingo, 27 de novembro de 2011

Me olho no espelho.

E a primeira coisa que me chama a atenção são meus olhos. Por que meus próprios olhos me chama atenção? Porque eu me conheço melhor ao vê-los. Às vezes eu estou diferente, fico diferente e não percebo. Basta me ver que começo a entender, perceber que eu estou ficando esgotada, desgastada com as situações. As pessoas parecem não se importar mais com ninguém e com os sentimentos de ninguém, apenas consigo mesmas. Comecei a perceber que não tenho sido mais tão feliz, e o que tem me mantido viva é a esperança. Apenas a esperança. Esperança de que tudo se ajeite, que tudo melhore logo. Pois há um certo tempo já não tenho tido as mesmas certezas de antes; não tenho tido certeza quanto aos sentimentos das pessoas, quanto elas se importam. Tenho tido muito medo, e o maior de todos é perder as pessoas que mais amo, ou apenas não suportar tudo isso e acabar partindo, sem volta, deixando-os pra trás.
Vejo tudo isso nos meus olhos. E então as lágrimas começam a rolar.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Chega uma hora que você se cansa.

Se cansa de viver implorando o amor dos outros. Se cansa de pedir-lhes sua companhia. Se cansa de ser ignorado. Se cansa tanto, que não consegue nem mesmo reagir.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Triste é saber que em algum momento da sua vida, aqueles que você não poderia viver sem, vão partir, sem que você possa fazer nada para impedir.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Foda? Você sabe meesmo o que é foda?

Foda são esses obstáculos que surgem na vida da gente. São as pessoas que aparecem na nossa vida só pra atrapalhar. Foda são as circunstâncias onde não falta mais nada, só você perder o pouco de lucidez que resta, enlouquecer de vez.
Foda? Foda são essas pessoas falsas, filhinhos de papai que tem dinheiro de sobra e não se contenta em ter de tudo, pra ser feliz tem que estragar a vida dos outros, os planos e sonhos das outras pessoas, e não estão nem aí, pouco se lixando pros perrengues que você passou pra tentar ser alguém na vida, pouco se lixando pro tempo que você passou sozinho ou simplesmente deixou alguém pra trás (doente), pouco se lixando se você passou fome, se ficou um mês inteiro sem dinheiro porque o que tinha mal dava pra pagar as contas. É assim hoje em dia. A gente aqui, passando um tanto de coisa, fazendo de tudo pra estudar, tentar subir na vida, dar orgulho e ser alegria dos nossos pais, daí surgi um filho da puta qualquer que não sabe o que é dignidade, muito menos sufoco, e vem atrapalhar, jogar tudo por água a baixo.
Um desse merece ir pro inferno direto!
(minha autoria)
ps.: tá que eu exagerei nas palavras, mas é muita revolta. muita mesmo.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Nesses últimos dias tenho feito retrospectiva da minha vida,

De momentos marcantes e outros nem tão marcantes assim. Dos momentos que marcaram por serem breves porém inesquecíveis; de momentos duradouros, porém maravilhosos; e de outros em que eu cheguei a sofrer por alguém. E esses momentos, eu relembrei sentindo uma lágrima rolando pelo meu rosto, pois tudo isso ficou tão vivo em mim, que percebi que, passe o tempo que for, toda a vez que essas memórias forem lembradas, reagirei da mesma maneira que reagi quando passei por aquilo. Por mais que eu tente, certas coisas a gente não esquece, e não há escolha pra isso, pois se eu pudesse escolher, teria esquecido disso há tempo, e certamente hoje não estaria aqui relatando tais sensações. Porém, de tudo que vivi tirei uma lição. Mas nem sempre consegui concertar, e me colocava a errar novamente, ou mesmo permitir que as pessoas repetissem seus erros comigo, e como consequência, meu sofrimento vinha junto. E meu maior erro, o erro que cometi a minha vida inteira foi querer demais certas coisas, certas pessoas, certos momentos, que nunca vieram. Então, num certo dia, no dia que cheguei a conclusão que isso estava me matando, e certamente eu não viveria muito se continuasse nesta inércia, eu passei a querer sim, mas não com a mesma força, com a mesma intensidade de antes. "É sempre assim, quando você quer muito alguma coisa, essa coisa não vem. Quando você já ta cansado de querer, a tal coisa vem." Foi o que disse hoje a uma amiga. É assim a vida. É assim que acontece em todas as etapas, em todos os ciclos.
Relembrei pessoas. Momentos com essas pessoas. Percebi que não soube impor certos limites, e me vi obrigada a expulsá-las da minha vida. Por erro delas. Mas elas erraram apenas porque eu permiti que isso acontecesse. 
Me sinto imensamente culpada por inúmeors acontecimentos da minha vida. Me sinto culpada por ter errado com as pessoas. Me sinto culpada por elas terem errado comigo. Me sinto culpada por minhas lágrimas e pelas vezes que fiquei em silêncio. Me sinto culpada por nem sempre correr atrás das coisas que quis, e por correr atrás do que eu queria, insistentemente. Me sinto culpada por minha infelicidade, pela minha incapacidade de compreender certas coisas, por bater sempre na mesma tecla.
Mas, mesmo com tão pouco tempo de vida, sinto que vivi experiências inexplicáveis, que se tornaram lembranças inesquecíveis ou lições pra vida toda.